E-commerce: você sabe como funciona?

Você sabe como funciona o e-commerce e quais as vantagens de apostar nessa estratégia? Leia o artigo e saiba mais!

Vendas onlineOutubro 13, 2020

Especialmente por conta da quarentena motivada pelas medidas de combate ao coronavírus, segundo dados do Compre&Confie, as vendas online chegaram a dobrar em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Assim, percebemos que há uma forte tendência de crescimento para o comércio eletrônico, até mesmo quando as pessoas voltarem às suas atividades normais. De qualquer maneira, o consumidor conseguiu entender de uma vez por todas a valorizar as compras online.

Neste artigo, você vai entender melhor o que é o e-commerce, como ele funciona e quais são as vantagens dessa estratégia.

O que é e-commerce?

O e-commerce, ou comércio eletrônico, é uma forma de transação feita por meio da internet, utilizando dispositivos como smartphones, tablets e computadores. Assim, trata-se de toda compra e venda feita online utilizando-se apenas um canal.

O comércio eletrônico pode ser feito por diferentes canais, como a loja virtual, mas também através de plataformas de marketplace, redes sociais ou até mesmo por e-mail marketing utilizando links de pagamento. Esses são apenas canais de vendas, mas tudo faz parte do pacote chamado e-commerce.

Mas como surgiu essa modalidade e por que ela se tornou tão popular? Vejamos como tudo começou.

Breve histórico do e-commerce

Décadas atrás, a única maneira de fazer comércio era de forma física. Assim, o consumidor precisava ir a uma loja, pagar pelo produto e então usá-lo. Mas, com o tempo, surgiram formas de realizar compras à distância, como as revistas de catálogos e as televendas. Mesmo assim, o pagamento era presencial e demorava até que o produto chegasse ao consumidor.

O primeiro modelo de compras online surgiu em 1979, com Michael Aldrich, permitindo que transações online fossem feitas entre pessoas físicas e jurídicas.

A internet chegou ao Brasil somente nos anos 1990. Mas ainda foi preciso esperar até os anos 2000 para o e-commerce tomar força por aqui. Especialmente no início dos anos 2010, os consumidores começaram a notar a grande facilidade das compras online, e não só o comércio, mas muitos outros processos passaram a ser amplamente realizados pela internet.

Hoje, as empresas têm investido no multichannel (multicanais), ou seja, na possibilidade de fornecer uma experiência unificada em diferentes pontos de contato com o público. Assim, a ideia é que a venda online seja uma extensão da loja física.

Como funciona?

O funcionamento do e-commerce segue uma estrutura semelhante ao que é feito em lojas físicas. Mas existem processos e ferramentas adicionais para garantir tanto a segurança da transação quanto o recebimento do produto de forma ágil e satisfatória para o cliente.

Basicamente, existe um espaço virtual para a exposição dos produtos, o pagamento, o faturamento e a entrega da mercadoria. Entenda melhor como isso funciona.

Vitrine virtual

A vitrine virtual é uma página em que os produtos são exibidos e na maior parte das vezes são separados por categorias. Além disso, o usuário conta com ferramentas de busca para encontrar o item que deseja.

Todos os produtos são acompanhados de informações que detalham suas características, como cor, peso e marca.

Pagamento

Ao clicar para comprar o produto, o item vai para o carrinho de compras virtual, que consiste em uma lista de mercadorias. Dependendo da plataforma, a ordem dos processos pode mudar. Mas, em síntese, é necessário inserir informações de nome do comprador, CPF e endereço de entrega para o cálculo do frete e do envio.

A próxima página é conhecida como checkout, na qual o consumidor insere suas informações para o pagamento, com cartão de crédito ou emissão de boleto bancário. Todos esses dados são criptografados para evitar fraudes.

Faturamento

Pode levar algum tempo para que os dados sejam verificados e a compra autorizada. E isso não depende apenas da operadora do cartão, mas também das políticas da loja. Após a aprovação, a nota fiscal é emitida e parte-se para a última etapa.

Logística

O produto precisa ser separado, embalado e enviado para que a transportadora faça a entrega. Tudo isso deve ser feito dentro do prazo combinado com o cliente.

Todo o processo de compra até o faturamento pode durar apenas alguns minutos. E dependendo da região em que a pessoa mora e da localização da loja, é possível receber o produto no mesmo dia!

Além disso, vale lembrar que, quando o empresário monta sua própria loja virtual, ele pode desenhar os processos da forma que for melhor para o seu negócio. Isso é diferente no caso de um marketplace. Como assim?

Diferença entre loja virtual e marketplace

Na loja virtual, o empreendedor constrói um site com um domínio exclusivo, em que ele não compete o espaço com mais ninguém. O endereço fica semelhante a www.sualoja.com.br ou www.loja.suaempresa.com.br. Nesse modelo, o empresário tem total controle de suas ferramentas, mas também é o único responsável pela manutenção e divulgação do negócio, inclusive pela contratação dos meios de pagamento.

Já no modelo de marketplace, o funcionamento é parecido com um shopping center. Nesse caso, o lojista vende seus produtos online, compartilhando o espaço com outros empreendedores. Além disso, um percentual da venda é direcionado para o administrador do espaço. Por outro lado, o empresário começa com uma infraestrutura robusta e baixo investimento, além de contar com as estratégias de marketing da própria plataforma.

Como você pôde perceber, cada uma das opções tem vantagens e pontos de atenção, e o lojista pode optar por usar os dois canais ao mesmo tempo. É claro, ele deverá seguir as regras do marketplace. Por exemplo, na maior parte das plataformas, não é permitido que os preços da loja virtual sejam menores que os informados no marketplace.

Vantagens do e-commerce

Ofertar seus serviços e produtos online, seja em loja virtual ou marketplace, traz muitas vantagens ao negócio. Por exemplo, abrir um e-commerce custa muito menos que abrir uma loja física. Você não precisará investir em móveis, aluguel ou decoração. Em muitos casos, será necessário apenas ter um espaço apropriado para estocar a mercadoria.

É verdade que, se você desejar criar um site próprio, haverá gastos com domínio, hospedagem e desenvolvimento. Mas muitos empreendedores conseguem fazer sozinhos todo esse trabalho. Além disso, as plataformas de marketplace permitem que você inicie com zero investimento.

Exemplos de e-commerces e/ou marketplaces

Existem muitos e-commerces de sucesso no mercado que provam que esse modelo pode trazer resultados surpreendentes. Entre eles, destacam-se:

  • B2W Digital: representa a fusão de nomes de peso no e-commerce nacional, como Submarino, Americanas e Shoptime e hoje atuam como marketplaces;
  • Magazine Luiza: conta com uma forte estrutura de e-commerce varejista de móveis e eletrônicos, e também fornece um marketplace para empreendedores fazerem parceria com a marca;
  • Mercado Livre: sem dúvida, um dos mais populares no Brasil. É uma plataforma que permite aos usuários tanto anunciar seus produtos, quanto fazer compras. Assim, podemos dizer que é um verdadeiro shopping virtual.

Investir em um e-commerce pode representar um avanço nas vendas da empresa. Essa estratégia se tornou fundamental em nossos dias, uma vez que os consumidores desejam maior comodidade e facilidade nas compras. Sua empresa já conta com canais online de vendas?

Gostou do conteúdo? Então, não deixe de acompanhar nosso blog para conferir os novos posts. Siga nossos perfis nas redes sociais. Estamos no Facebook, YouTube, LinkedIn e no Instagram.

Está gostando desse artigo?

Últimas de “Vendas online

VEJA TODAS
Ver postagem

Marketplace: O que é e quais são as suas vantagens?